Moniquinha | TVSOTEROPOLITANA.com Para Smart TV, PC e Mobiles

Se a minha memória não sacanear, foi em 1978, quando estive em Salvador pela primeira vez. Hospede no Barra Turismo Hotel saí e fui procurar mais informações sobre a cidade num posto da Bahiatursa ali perto. A atendente fazia suas recomendações turísti...

monica, moniquinha, romance, história, ficção

Moniquinha

Publicado por: Redação
14/05/2017 15:01:30

Se a minha memória não sacanear, foi em 1978, quando estive em Salvador pela primeira vez. Hospede no Barra Turismo Hotel saí e fui procurar mais informações sobre a cidade num posto da Bahiatursa ali perto. A atendente fazia suas recomendações turísticas e uma amiga da moça, do lado de fora do balcão, aos risos dava mais detalhes dos lugares legais da cidade.

 

Moniquinha, como era chamada, era uma jovem de 17 anos humilde e muito educada, magrinha de cabelos longos, sobrancelhas acentuadas, muito comunicativa. Sorria e brincava o tempo todo, próprio da idade. Obvio, conquistou logo minha simpatia.

 

Nos poucos dias que fiquei em Salvador, nos tornamos amigos dada a simpatia da baianinha. Morava em Brotas onde conheci o resto da família, todos muito amáveis, apesar da preocupação da mãe quanto as novas amizades e no meu caso mais ainda pois não era da região. Com o coração no pacote, namoramos.

 

Porém não durou por muito tempo creio que nem um ano. Ficar indo e vindo de São Paulo a Salvador não estava dando certo até que cada um seguiu seu destino. Voltei para SP onde morava. Tempos depois entre fim de 1979 e início de 1980 insisti em Salvador onde acabei ficando de vez e também conheci pessoas e amizades que preservo até os dias de hoje. Fui para a Ucsal fazer Direito, em 1988 virei assessor de comunicação do TJBA.

 

Em 1989 criei a TVSHOPSHOW no Centro Empresarial Iguatemi ocasião em que fiz a maluquice de lançar uma Revista, SHOPNEWS. Uma grande artista e colaboradora da publicação, Suzana Duarte, numa certa feita me apresenta uma sua colega, outra competente profissional da área de comunicação, quem era? Moniquinha, de novo! Seria obra do destino? Diria alguns afoitos a predestinar as coisas. Não, nada disso. Moniquinha agora era uma mulher casada e mãe. Conversamos um pouco, remetidos aos bons momentos do passado rimos e nunca mais a vi, exceto décadas depois nas ultimas reportagens dos noticiários e delações. Me pergunto, o que teria acontecido a doce e meiga Moniquinha?.