O que Zelensky disse na ONU são riscos reais

Publicado por: Editor Feed News
19/09/2023 21:21:00
Exibições: 192
Divulgação/Redes Sociais/Captura de Tela
Divulgação/Redes Sociais/Captura de Tela

Na terça-feira, 19 de setembro, o presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelenskyi, discursou na Assembleia Geral das Nações Unidas em Nova York


O chefe de Estado da Ucrânia foi ovacionado por todos os presentes iniciou o seu discurso  felicitando todos os que defendem esforços conjuntos e prometeu que, “sendo verdadeiramente unidos, podemos garantir uma paz justa para todas as nações”.

 

“Este salão já viu muitas guerras, mas não como um defensor ativo contra agressões. Em muitos casos, o medo da guerra, da última guerra, da guerra depois da qual ninguém se reuniria no Salão da Assembleia Geral, era mais forte aqui. A Terceira Guerra Mundial foi vista como uma guerra nuclear. Conflito entre estados a caminho das armas nucleares. Outras guerras pareciam menos assustadoras em comparação com a ameaça das chamadas “grandes potências” que estão a disparar os seus arsenais nucleares”, disse Zelenskyy.

 

O Presidente observou que “o século XX ensinou o mundo a abster-se de usar armas de destruição maciça – não para implantar, não para espalhar, não para ameaçar e não para testar, mas para promover o desarmamento nuclear completo”.

 

“Honestamente, esta é uma boa estratégia. Mas esta não deve ser a única estratégia para proteger o mundo desta última guerra”, explicou o chefe de Estado.

 

As armas nucleares não são a coisa mais perigosa agora

Zelensky lembrou que a Ucrânia desistiu do terceiro maior arsenal nuclear. Segundo ele, “então o mundo decidiu que a Rússia deveria se tornar a guardiã de tal poder”.

 

"Mas a história mostra que a Rússia era quem mais merecia o desarmamento nuclear na década de 1990. E a Rússia merece isso agora - os terroristas não têm o direito de possuir armas nucleares. Mas não são as armas nucleares as mais perigosas agora", enfatizou o presidente.

 

O chefe de Estado disse que “enquanto as armas nucleares permanecerem em vigor, a destruição em massa ganhará impulso”.

 

"A Rússia transforma muitas outras coisas em armas, e essas coisas são usadas não só contra o nosso país, mas também contra todos os seus países. Existem muitas convenções que limitam a posse e distribuição de armas, mas não existem restrições reais ao uso de alimentos, energia e outras coisas como armas", disse Zelenskyy.

 

A Rússia está tentando usar a fome como arma

O presidente disse que desde o início da agressão em grande escala, a Rússia bloqueou os portos ucranianos do Mar Negro e de Azov.

 

“Os nossos portos no Danúbio ainda são alvo dos seus mísseis e drones. A Federação Russa está a tentar usar a escassez de alimentos no mercado mundial como arma em troca do reconhecimento da ocupação de alguns – se não de todos – territórios capturados. A Rússia usa os preços dos alimentos como arma", observou o chefe de Estado.

 

Zelenskyy disse que a Ucrânia lançou um corredor temporário de exportação no Mar Negro e está a trabalhar para preservar as rotas terrestres.

 

"É perturbador ver como, neste momento, algumas pessoas na Europa estão a minar a solidariedade e a encenar um teatro político, transformando os grãos num thriller. Pode parecer que eles estão desempenhando o seu próprio papel, mas em vez disso estão ajudando a preparar o palco para o ator moscovita", explicou o presidente.

 

Moscou está transformando a energia nuclear em uma arma

O chefe de Estado enfatizou que o mundo tem testemunhado repetidamente o uso da energia como arma por Moscou, mas “a ameaça atual é ainda maior”.

 

"A Rússia está a transformar a energia nuclear numa arma. Vejam o que a Federação Russa fez à nossa central nuclear de Zaporizhia: bombardeou-a, ocupou-a e agora chantageia outros com a ameaça de uma fuga de radiação", continuou Zelenskyy.

 

O rapto de crianças faz parte da política estatal da Rússia

O presidente observou que “grupos terroristas já raptaram crianças antes, mas nunca antes os raptos em massa e as deportações se tornaram parte da política estatal”.

 

A transformação em arma deve ser contida. Os crimes de guerra devem ser punidos. As pessoas deportadas devem voltar para casa. E o ocupante deve regressar ao seu próprio território”, concluiu Zelenskyy.

 

"As crianças ucranianas raptadas na Rússia são ensinadas a odiar a Ucrânia e rompem todos os laços com as suas famílias. Isto é genocídio", enfatizou o chefe de Estado.

 

A cada década, a Rússia inicia uma nova guerra

Zelenskyi disse que partes do território da Moldávia e da Geórgia continuam ocupadas pela Rússia e que a Síria foi transformada em ruínas.

 

“A cada década a Federação Russa inicia uma nova guerra. Se não fosse pela Rússia, as armas químicas nunca teriam sido usadas lá. A Federação Russa quase absorveu a Bielorrússia, ameaça o Cazaquistão e os Estados Bálticos", disse o presidente.

 

Fórmula ucraniana para a paz

O chefe de Estado lembrou que no ano passado apresentou a fórmula de paz ucraniana, que se tornou a base para a atualização da arquitetura de segurança existente.

 

“Podemos agora restaurar a Carta da ONU e garantir a plena força da ordem mundial baseada em regras. Amanhã apresentarei os detalhes numa reunião especial do Conselho de Segurança da ONU", continuou Zelenskyy.

 

O Presidente sublinhou que a fórmula não diz respeito apenas à Ucrânia e que mais de 140 Estados e organizações internacionais a apoiaram total ou parcialmente.

 

“Propõe soluções e medidas que irão impedir todas as formas de armamento que têm sido utilizadas pela Rússia contra a Ucrânia e outros países e que podem ser utilizadas por outros agressores. Importantes negociações e consultas relativas à implementação da Fórmula da Paz tiveram lugar em Hiroshima, Copenhaga e Jeddah. E estamos a preparar a Cimeira Global da Paz", afirmou o chefe de Estado.

 

Putin não é confiável

Zelensky disse que sabe das tentativas "de fazer alguns negócios duvidosos nos bastidores".

"O mal não é confiável. Pergunte a Prigozhin se devemos confiar nas promessas de Putin. Por favor, me escute. Deixemos que a unidade resolva tudo abertamente", apelou o presidente.

 

O chefe de Estado acrescentou que a Ucrânia está a fazer tudo para garantir que ninguém no mundo se atreva a atacar qualquer país após a agressão russa.

Com informações da Agência PRM (UA)

Vídeos da notícia

Imagens da notícia

Tags:

Mais vídeos relacionados