Pacientes diabéticos superam limites ao enfrentar desafios esportivos | TVSOTEROPOLITANA.com Televisão para Dispositivos Moveis

Sexta edição do T1D Challenge levou grupo de pacientes diabéticos para realizar o Tour du Mont Blanc  Conectar, inspirar e provar que o diabetes não é uma limitação: esses são os maiores objetivos do Type 1 Diabetes Challenge, mais conhecido por T1D Ch...

diabetes, glicemia, hipertensão, nutrição, cardiologia, endocrinologistas, glicose, rim, empagliflozina, inibidor, sglt2, pancreas, trigo, pãp

Pacientes diabéticos superam limites ao enfrentar desafios esportivos

Publicado por: Redação
18/07/2018 12:23:45
Divulgação/SBD
Divulgação/SBD
Sexta edição do T1D Challenge levou grupo de pacientes diabéticos para realizar o Tour du Mont Blanc
 
Conectar, inspirar e provar que o diabetes não é uma limitação: esses são os maiores objetivos do Type 1 Diabetes Challenge, mais conhecido por T1D Challenge, que aconteceu de 3 a 9 de julho e reuniu pacientes diabéticos e seus médicos,  de diversas partes do mundo, para realizar desafios esportivos.

 
Depois de passar pelo Kilimanjaro, na Tanzânia; Salkantay, no Peru; White Mountains, na Grécia; Vulcão Hekla, na Islândia e pelo Mount Langley nos EUA, o desafio deste ano foi uma trekking de referência mundial: o Tour du Mont Blanc. A caminhada, que passa pela França, Itália e Suíça, representa uma oportunidade única de realizar a volta completa na mais famosa montanha da Europa Ocidental e superar limites.

 
Para fazer parte do T1D Challenge, é necessário atender a alguns requisitos básicos. O Dr. Mauro Scharf, vice-presidente da Sociedade Brasileira de Diabetes regional Paraná (SBD-PR) e membro da equipe médica do T1D Challenge desde o primeiro desafio, explica que é feita uma pré-seleção baseada em critérios rígidos, já que esse tipo de atividade é bastante desgastante. “Existem algumas clínicas especializadas ao redor do mundo, conhecidas como Sweet Centers, que são interligadas por um sistema único de atendimento e abrem um concurso entre seus pacientes para selecionar os participantes. É necessário falar inglês fluentemente, ter um bom controle do diabetes e, principalmente, comprovar uma prática de atividade física regular e frequente”, conta o especialista, que é fundador do único Sweet Center credenciado do Brasil, o Centro de Diabetes de Curitiba.

 
Esses mesmos requisitos têm que ser atendidos não somente pelos pacientes, mas também pela equipe médica. “É difícil encontrar médicos que unem a capacidade técnica em diabetes com a física para encarar estes desafios, por isso, o médico precisa atestar que está em condições adequadas para realizá-los”.

 
O preparo para a atividade é cauteloso, e a equipe médica está sempre pronta para eventuais complicações. “A hipoglicemia é a mais comum. Os pacientes, quando são submetidos às condições extremas de altitude, temperatura ou desgaste físico, podem ter queda de açúcar no sangue. É necessário ficar atento também aos casos de bolhas e lesões ortopédicas nos pés ou quando necessitam de cuidados com a pele e outros problemas nos pés em geral. “Monitoramos continuamente esses pacientes com sensores conectados a alarmes que avisam quando a glicemia está prestes a atingir um nível preocupante. Atuamos o tempo todo junto a eles para que possam completar o desafio com o máximo de segurança”, afirma o Dr. Scharf.

 
O T1D Challenge mostra à sociedade que não há limites para o paciente que tem o diabetes controlado. A intenção do projeto é resgatar a autoestima e provar que, mesmo com a doença, estas pessoas são capazes de fazer qualquer coisa. “Ninguém está lá para provar que é super-herói, mas sim para mostrar como esse tipo de experiência consegue transformar uma pessoa. Um dos pacientes, uma vez, chegou ao topo de um pico desses e foi entrevistado por um repórter que chegou lá de helicóptero. O repórter perguntou como foi, para ele, conseguir a façanha de subir o pico, carregando o fardo de ter diabetes. O paciente respondeu: como foi para você, sem ter diabetes, carregar o fardo de subir aqui de helicóptero enquanto 18 pessoas com diabetes subiram com as próprias pernas?”, conta o Dr. Scharf. “Esta é a intenção do projeto: mostrar que, se você mantiver um bom controle do diabetes, você poderá fazer o que quiser”.


Sobre a SBD
Filiada à International Diabetes Federation (IDF), a Sociedade Brasileira de Diabetes é uma associação civil sem fins lucrativos, fundada em dezembro de 1970, que trabalha para disseminar conhecimento técnico-científico sobre prevenção e tratamento adequado do diabetes, conscientizando a população a respeito da doença e melhorando a qualidade de vida dos pacientes. Também colabora com o Estado na formulação e execução de políticas públicas voltadas à atenção correta dos pacientes, visando a redução significativa da doença no Brasil.

Conheça nosso trabalho: www.diabetes.org.br

Compartilhar

Ganhe Dinheiro Revendendo Roupas

Comentários