Casais que não brigam não são felizes | TVSOTEROPOLITANA.com Para Smart TV, PC e Mobiles

Não é porque um casal não briga que a vida a dois está a mil maravilhas. Segundo Oswaldo M. Rodrigues Jr. psicólogo especialista em relacionamento do InPaSex (Instituto Paulista de Sexualidade) isso pode não ser sinônimo de um relacionamento bom. “O no...

casal, separação, união, estável, namoro, qualificado, família, briga, felicidade

Casais que não brigam não são felizes

Publicado por: Redação
05/07/2017 19:23:25

Não é porque um casal não briga que a vida a dois está a mil maravilhas. Segundo Oswaldo M. Rodrigues Jr. psicólogo especialista em relacionamento do InPaSex (Instituto Paulista de Sexualidade) isso pode não ser sinônimo de um relacionamento bom. “O normal é que as pessoas discordem ao longo do tempo em uma relação, já que os dois carregam bagagens de educação, valores e cultura diferentes. Se não existe discussão entre um casal, pode ser sinal de que algum dos dois esteja se anulando e abaixando demais a cabeça. E isso nunca será útil para o futuro d casal”, fala o especialista.

 

As pequenas brigas ajudam os casais a melhorarem a relação - claro que desde que não extrapole o limite do respeito. “Brigar pode ser sinal de preocupação com o outro e isso faz com que as coisas deem certo. Ninguém briga com quem não importa”, fala a psicóloga Carla Zeglio, também especialista em relacionamento de casais do InPaSex, que ainda diz que “Depois do sabor amargo de uma discussão vem também o lado doce de uma reconciliação e da cumplicidade”

 

Para Oswaldo, cada briga é uma nova possibilidade de refletir e melhorar o diálogo. “Com um desentendimento os dois passam por momentos de reflexão e isso é o que faz crescer e fortalecer a relação. Claro que ambos precisam compreender que o debate não é uma competição para ver quem ganha. Uma briga serve para desvendar um pouco mais de nós mesmos e descobrimos coisas no outro e assim, com o passar os anos não precisam mais brigar pela mesma causa, irão se entender em apenas um olhar. Constroem novas formas de solucionar problemas”, ensina.

 

Além disso, a velha regra de “alguém sempre tem que ceder para uma relação dar certo” é a mais pura verdade segundo a psicóloga. “Se nenhum dos dois jamais abrir mão das suas convicções, dificilmente a relação resiste. Se os pingos não são colocados nos I´s, a tendência é isso virar amargura e com o passar dos anos, pode detonar com a relação. Discutir com o objetivo de ambos ganharem é sempre positivo!”, finaliza Carla.

 

Sobre Carla Zeglio

 

Dedica-se à psicoterapia de casais e em sexualidade e supervisão clínica com enfoque na sexualidade. Graduada em Psicologia pela Universidade São Judas Tadeu (1995), diretora do InPaSex- co-editora da Revista terapia sexual: Pesquisa e Aspectos Psicossociais. Foi Tesoureira da FLASSES - Federación Latinoamericana De Sociedades De Sexologia Y Educación Sexual (2003 / 2005) e Membro do Comitê de Ética da FLASSES (2007-2011). Coordenadora e Idealizadora do CEPES - Curso de Qualificação em Psicoterapia com enfoque na Sexualidade. Organizou e presidiu três congressos profissionais, os Encontros Brasileiros de Análise do Comportamento e Terapia Cognitivo-Comportamental com Casais e Família (2012, 2013 e 2015).