“Cavalo de Troia” para matar células cancerígenas | TVSOTEROPOLITANA.com Televisão via Internet

Um dos métodos desenvolvidos mais recentemente usa um ataque furtivo para fazer com que as células cancerígenas se autodestruam – tudo sem o uso de medicamentos.   Uma equipa de investigadores da Universidade Tecnológica de Nanyang, em Singapura, desen...

saude, depressão, riscos, tratamentos, esclerose, medicamentos, sus, câncer, próstata, homem, mulher

“Cavalo de Troia” para matar células cancerígenas

Publicado por: Redação
06/10/2020 15:01:20
Courtesy Pixabay
Courtesy Pixabay

Um dos métodos desenvolvidos mais recentemente usa um ataque furtivo para fazer com que as células cancerígenas se autodestruam – tudo sem o uso de medicamentos.

 

Uma equipa de investigadores da Universidade Tecnológica de Nanyang, em Singapura, desenvolveu um novo tratamento que transforma nanopartículas numa espécie de “cavalo de Tróia”, que entram nas células cancerígenas e fazem com que estas se autodestruam.

 

Segundo o Science Alert, os cientistas levaram a cabo algumas experiências em laboratório que provaram que o crescimento do tumor em cobaias foi reduzido – e até evitado – com esta nova abordagem.

 

A técnica baseia-se no revestimento de nanopartículas de sílica com um aminoácido específico (L-fenilalanina) do qual as células cancerígenas dependem para sobreviver e crescer. Os tumores absorvem as substâncias disfarçadas e acabam por morrer neste processo. De acordo com a equipa, este tratamento dispensa o uso de medicamentos.

 


A nanopartícula – chamada “Nanoscopic phenylalanine Porous Amino Acid Mimic”, ou Nano-pPAAM, – tem apenas 30 nanómetros, ou seja, é cerca de 30 mil vezes mais fina do que um fio de cabelo humano.

 

Nas experiências, o composto matou cerca de 80% das células cancerígenas da mama, da pele e do estômago, uma eficiência comparável a medicamentos quimioterápicos convencionais, como a cisplatina. O artigo científico foi publicado na Small.


“As propriedades da Nano-pPAAM não precisam de ser ativadas por nenhum estímulo externo. O aminoácido L-fenilalanina atua como um cavalo de Tróia – uma capa para mascarar o nanoterapêutico”, explicou Dalton Tay, principal autor do estudo. “Ao remover o componente do medicamento, simplificamos a formulação da nanomedicina.”

 

O revestimento de aminoácido da Nano-pPAAM ajuda a nanopartícula a entrar nas células através da molécula transportadora LAT1. Dentro do tumor, a Nano-pPAAM estimula a produção excessiva de espécies reativas de oxigénio, fazendo com que as células cancerígenas se autodestruam.

 

O próximo passo da equipa é refinar o design e a química da Nano-pPAAM para a tornar mais precisa na segmentação de tipos específicos de cancer.

 

Fonte: Planeta ZAP //

Imagens de notícias

Tags:

Compartilhar

Noticias

Vídeos relacionados