Parkinson afinal não é uma doença… são duas | TVSOTEROPOLITANA.com Televisão via Internet

Um estudo dinamarquês veio mostrar que a doença de Parkinson se divide em dois tipos diferentes – um começa no cérebro e outro nos intestinos – que são os responsáveis pelos diferentes sintomas reportados pelos pacientes.   A doença de Parkinson é cara...

saude, hipertensão, cardiologia, mitos, verdades, doenças, criança, parkinson, diabetes, infantil, pediatra, cuidados, desidratação, insolação, plano, assistência, avc, alergias

Parkinson afinal não é uma doença… são duas

Publicado por: Redação
29/09/2020 18:56:00
Courtesy Pixabay
Courtesy Pixabay

Um estudo dinamarquês veio mostrar que a doença de Parkinson se divide em dois tipos diferentes – um começa no cérebro e outro nos intestinos – que são os responsáveis pelos diferentes sintomas reportados pelos pacientes.

 

A doença de Parkinson é caracterizada pela deterioração lenta do cérebro devido à acumulação de alpha-synuclein, proteína que danifica as células nervosas. Isto causa os movimentos lentos e rígidos, normalmente associados à doença, para os quais existe já dispositivo que os pode ajudar a lidar com a condição.

 

O estudo publicado na Brain revela que a doença se divide em dois tipos diferentes, o que poderá justificar os sintomas bastante diferentes sentidos pelos pacientes, e aponta para tratamentos personalizados como sendo caminho a seguir para estes doentes.

 

“Com a ajuda de técnicas de scanning avançadas, mostramos que a doença de Parkinson pode estar dividida em duas variantes, que começam em diferentes sítios do corpo“, revelou Borghammer, um dos responsáveis pelo estudo realizado na Universidade de Aarhus, na Dinamarca.

 

“Para alguns pacientes, a doença começa nos intestinos e espalha-se até ao cérebro através de ligações neurais”, explicou.

 

Os investigadores usaram técnicas de imagem – Tomografia Nuclear de Positrões e Ressonância Magnética – para examinar pacientes com Parkinson e pessoas não diagnosticadas, mas com alto risco de a desenvolver, como é o caso de quem sofre de Transtorno Comportamental do Sono REM, que tem risco acrescido de a desenvolver.

 

O estudo mostrou que alguns pacientes apresentavam danos no sistema de dopamina do cérebro antes dos intestinos ou coração ficarem afetados. Noutros pacientes, os exames revelaram estragos no sistema nervoso dos intestinos e do coração, antes do sistema de dopamina do cérebro ser afetado.

 

Segundo a Science Daily, para Borghammer esta descoberta é muito importante e desafia a compreensão da doença de Parkinson. Além disso, poderá ser muito importante para o tratamento de Parkinson no futuro, visto que deveria ser baseado no padrão da doença em cada indivíduo.

 

“Até agora, muitas pessoas viam a doença como relativamente homogénea e classificaram-na com base nos distúrbios de movimento típicos. Mas, ao mesmo tempo, ficamos intrigados sobre o porquê de existir uma grande diferença entre os sintomas dos pacientes”, disse Borghammer.

 

Os investigadores referem-se aos dois tipos de Parkinson como body-first (primeiro o corpo) e brain-first (primeiro o cérebro). No primeiro caso, poderá ser interessante e pertinente investigar a composição da microbiota intestinal.

 

“Já foi demonstrado há muito tempo que os pacientes de Parkinson têm um microbioma nos intestinos diferente das pessoas saudáveis, sem se entender verdadeiramente o significado disto”, disse o investigador, que considera pertinente examinar a possibilidade de o tipo body-first ser curado através do tratamento dos intestinos.

 

“A descoberta do tipo brain-first é um desafio maior. Esta variante da doença é provavelmente assintomática até aparecerem sintomas relacionados com o movimento. Nessa altura, o paciente já perdeu mais de metade do sistema de dopamina e, consequentemente, será mais difícil encontrá-los a tempo de atrasar a doença”, afirmou.

 

Segundo uma investigação realizada há cerca de três anos, existe uma análise sanguínea que poderá revelar sinais de Parkinson 10 anos antes do diagnóstico.

 

O estudo da Universidade de Aarhus é longitudinal, o que significa que os pacientes são chamados de novo após três e seis meses para que possam ser reexaminados. De acordo com Borghammer, isto faz com que o estudo faculte aos investigadores informação válida e clara sobre o Parkinson.

 

“Agora temos informação que nos dá esperança para tratamentos mais direcionados e melhor adaptados às pessoas afetadas pela doença de Parkinson no futuro”, disse Borghammer.

 

De acordo com a Associação Dinamarquesa da Doença de Parkinson, há em todo o mundo mais de oito milhões de pessoas diagnosticadas com esta doença. Em 2050, espera-se que aumente para 15 milhões, devido à população mais envelhecida, sendo que o risco de ter a doença aumenta drasticamente quanto mais velha for a população.

 

Fonte: Planeta ZAP //

Compartilhar

Noticias

Vídeos relacionados