O vírus não vai desaparecer.” Depois da bonança, voltará um novo ciclo de quarentena antes do fim do ano | TVSOTEROPOLITANA.com Para Dispositivos Moveis

Há um longo caminho pela frente no combate à Covid-19. Após o actual estado de quarentena que deve durar, pelo menos, até Junho, esperando-se que adormeça os casos de infecção, é previsível...

noticias, artigos, notas, releases, pautas, tv, acontecimentos, fatos, reportagens

O vírus não vai desaparecer.” Depois da bonança, voltará um novo ciclo de quarentena antes do fim do ano

Publicado por: Redação
22/03/2020 14:56:01
Courtesy Pixabay
Courtesy Pixabay

Há um longo caminho pela frente no combate à Covid-19. Após o actual estado de quarentena que deve durar, pelo menos, até Junho, esperando-se que adormeça os casos de infecção, é previsível que o coronavírus volte em força para um novo ciclo de contágio, antes do final do ano.

 

O cenário é traçado por vários especialistas em declarações ao Expresso, sublinhando que o vírus “só vai parar de se propagar quando a maioria das pessoas tiver sido infectada, demore o tempo que demorar”. A única forma de travar o vírus é desenvolvendo uma vacina ou ganhando “imunidade de grupo”, com larga parte da população infectada.

 

“O vírus é endémico, está em todo o lado, e é praticamente impossível erradicá-lo. Mesmo com as medidas atuais, o vírus não vai desaparecer”, alerta o virologista do Instituto de Medicina Molecular (IMM), da Faculdade de Medicina de Lisboa, Pedro Simas.

 

“O vírus não se torna mais fraco, as pessoas é que vão ganhando defesas. Mas não se consegue um nível elevado de imunidade com a contenção em vigor, pelo que vão surgir mais vagas da infecção“, avisa Pedro Simas.

“O que agora estamos a fazer é protelar a infecção, aplanando a curva [de contágio], nada mais. E ao actuarmos cedo, não significa que tudo acabe mais depressa. É precisamente o contrário: vamos manter o vírus e o medo da doença, e não sabemos por quanto tempo”, acrescenta ao Expresso um dos peritos do Conselho Nacional de Saúde que não quis ser identificado.

 

Pedro Simas nota que a quarentena e o isolamento de populações “serve para mitigar a procura de serviços de saúde, evitando o colapso, e serenar a opinião pública”. “Mas, cientificamente, o que faria sentido era garantir a imunidade de grupo”, nota o virologista, realçando que num cenário de pandemia seria “a melhor opção possível: propaga-se rapidamente, permitindo criar imunidade populacional, em 94% dos infectados provoca apenas uma constipação, nem sequer uma gripe, e só afecta gravemente um grupo populacional”.

 

Essa foi, precisamente, a estratégia anunciada por Boris Johnson no Reino Unido. Mas o primeiro-ministro britânico viu-se obrigado a tomar algumas medidas para contenção do vírus. Porém, Reino Unido e Suécia são os países que estão a aplicar medidas mais próximas da ideia da “imunidade de grupo” como principal forma de contenção do vírus.

 

“Essa opção baseia-se em informação científica, mas também em estudos sobre o que estes países estão dispostos a pagar em termos sociais, económicos e até de vidas humanas. Os cientistas daqueles países são muito bons e acredito que já ponderaram muito este balanço e o efeito sobre a população que têm (idade, literacia, comorbilidades, etc.). Já fizeram muito bem as ‘continhas’. São mais pragmáticos e com decisões de difícil compreensão para a maioria das sociedades”, analisa a responsável pela estratégia da Direção-Geral da Saúde para o VIH/SIDA e a tuberculose, Isabel Aldir, também no Expresso.

 

O semanário cita um estudo feito pelo Imperial College London que concluiu que, após a implementação de medidas de contenção, pode haver um primeiro cenário de diminuição da cadeia de contágio e de redução da procura dos serviços de saúde, mas não acabará a transmissão do vírus; ou pode ocorrer um segundo cenário em que se interrompa a transmissão, mas logo que haja “um relaxamento” das medidas, “os casos deverão aumentar”. “É possível diminuir o número de casos, mas existe o risco de haver uma nova vaga nos meses de Inverno“, alertam os autores do estudo.

 

O bio-matemático Ruy Ribeiro aponta ao Expresso que é preciso encarar o vírus como “um incêndio”. “Se não ficar bem extinto, vai haver um reacendimento“, alerta, prevendo que possa haver “medidas de contenção durante meses”. “É preciso começar a trabalhar em medidas intermitentes para os cenários das próximas vagas”, considera Ruy Ribeiro, frisando que “a alternativa será fazer o isolamento agora em prática durante muitos mais meses além de Maio”.

 

O professor de saúde internacional no Instituto de Higiene e Medicina Tropical Paulo Ferrinho considera ao Expresso que “daqui a oito semanas já teremos uma ideia muito precisa de como será a segunda onda“.

 

O primeiro-ministro já referiu que temos pela frente “três meses muito duros”, considerando que a normalidade só deverá voltar a partir de Junho.

 

Mas os efeitos na economia vão estender-se muito para lá disso. “Vamos ter, no mínimo, seis meses de uma situação económica catastrófica“, antevê o presidente da Confederação Empresarial de Portugal, António Saraiva, em declarações à Rádio Observador.

Fonte: Planeta ZAP //

Imagens de notícias

Tags:

Compartilhar

Noticias

Vídeos relacionados